LIVRO 10 HÁBITOS DA MEMORIZAÇÃO – RENATO ALVES

LIVRO 10 HÁBITOS DA MEMORIZAÇÃO – RENATO ALVES
Rate this post

Capa Livro Os 10 Hábitos de Memorização - Renato AlvesO livro Os 10 Hábitos da Memorização do Renato Alves, o Recordista Brasileiro de Memória, revela como aprimorar a capacidade da nossa memória com hábitos simples, que podemos adotar em nossas atividades diárias.

Compreender como a sua memória funciona é fundamental nesse processo para incorporar os novos hábitos e superar resistências.

Possuir boa memória é um excelente recurso, principalmente para quem estuda e está se preparando para provas de concursos públicos e vestibulares.

Recomendo fortemente a leitura atenta do livro Os 10 Hábitos de Memorização do professor Renato Alves, especialista em memória, caso você esteja interessado em aprender a memorizar o que estuda e ainda fortalecer a sua memória para todo tipo de atividade.

Este artigo cumpre a função de resenha do livro Os 10 Hábitos de Memorização do Renato Alves e também um incentivo para conhecer mais sobre como aprender memorizar.

POR QUÊ ESQUECEMOS?

Na primeira parte do livro o Renato Alves explica quais são os fatores que nos levam a esquecer das coisas, a origem dos “brancos na memória”, como a desorganização é prejudicial ao processo de memorização.

Argumenta que na maioria das escolas não fomos ensinados a aprender a estudar e a lidar com informações importantes.

Renato Alves nos ajuda a compreender como a nossa memória é afetada pela fadiga mental decorrente do excesso de informações ao qual estamos expostos, haja vista, a enorme quantidade de matérias solicitadas em concursos públicos e vestibulares, por exemplo.

Antes de apresentar os 10 hábitos de memorização, o professor Renato Alves destaca quais são os estados negativos que impactam o processo de memorização e principalmente a nossa capacidade de lembrar das coisas.

Incluem-se nesse rol estados como a “má vontade” em estudar uma determinada matéria, o stress que pode inibir totalmente a nossa capacidade de concentração, a depressão que suga por completo a nossa energia para se dedicar a qualquer atividade produtiva e a ansiedade que inibe nossa capacidade de prestar atenção no momento presente.

Renato Alves argumenta que o temido “branco na memória” é um mecanismo de defesa do cérebro diante de situações em que nos sentimos pressionados e inseguros. Isso pode ocorrer em decorrência da tensão gerada por uma prova importante, por uma apresentação ao falar em público ou mesmo, diante do chefe que cobra uma explicação na presença da equipe de trabalho. Existem ainda outros fatores que levam ao “branco de memória” conforme explica do professor mnemonista Renato Alves.

OS SÉRIOS PREJUÍZOS DO ESQUECIMENTO.

É inevitável relacionarmos esquecimentos com prejuízos, porque são muitas as situações irremediáveis na vida das pessoas provocadas por esquecimentos.

A questão do esquecimento é muitas vezes tratado com chacotas e quem já não riu com “algum colega” que chegou na sala de aula e se viu diante de uma prova da qual se quer lembrava! Fique tranquilo, esse “algum colega” não é “nenhum de nós” aqui neste artigo”!

O professor Renato Alves desenvolve esse tema com a seriedade necessária para nos conscientizar dos prejuízos causados pelos esquecimentos na nossa vida, sejam de ordem financeira, perfeitamente mensuráveis conforme ele demonstra, de tempo que geram retrabalho ou nos privam de oportunidades e ainda, os de ordem moral que nos causam constrangimentos ou danos à nossa reputação profissional e pessoal.

A primeira parte do livro Os 10 Hábitos da Memorização é concluída pelo o professor Renato Alves com a proposta para o leitor refletir sobre o que é a memória e “aonde ela fica”.

O objetivo principal da reflexão é nos libertar dos falsos mitos populares sobre a memória, como uso de medicamentos, por exemplo.

Aprimorar a memória requer um conjunto orquestrado de ações como compreender como a memória funciona, cuidar da saúde física (alimentação, exercícios) e mental (estados) e adotar hábitos de memorização, que citaremos a seguir.

PRIMEIRO HÁBITO DA MEMORIZAÇÃO: Prevenção aos brancos na memória.

Sim, prevenção, essa é a chave conforme explica o professor Renato Alves, os brancos na memória possuem em muitas vezes como raiz o medo. Pensar de forma negativa, se remoer com preocupações sobre a realização de uma prova somente vai alimentar o medo.

SEGUNDO HÁBITO DA MEMORIZAÇÃO: Aprender recordar.

Para nos sensibilizar da importância dos exercícios recordatórios para a aprendizagem e retenção de conhecimento o professor Renato Alves nos propõe uma viagem no tempo:

“Olhe para uma foto antiga, observe e se concentre nos detalhes, pense neles, em instantes você poderá perceber o seu cérebro abrindo os arquivos da memória”

Esse lúdico recurso tem por objetivo demonstrar o mecanismo de funcionamento do processo recordatório e como você pode utilizá-lo de forma recorrente para se habituar a recordar matérias, conteúdos e fatos relevantes, principalmente se você estiver se preparando para provas de vestibulares e concursos públicos.

Outros exercícios são propostos no livro.

TERCEIRO HÁBITO DA MEMORIZAÇÃO: Uso das memórias artificiais.

É importante distinguir o que necessitamos guardar em nossa memória daquilo que pode ser “armazenado” no que chamamos de memórias artificiais. Segundo o professor Renato Alves há situações em que não se justifica gastar energia com o processo de memorização e neste ponto do livro ele detalha como fazer essa distinção, por exemplo, coisas que pode ser filtradas ou pesquisadas podem ir para uma memória artificial.

QUARTO HÁBITO DA MEMORIZAÇÃO: Tome uma ação para lembrar.

O Renato Alves faz uma pergunta direta: “O que você faz para lembrar daquilo que não pode esquecer?”

A mensagem é fujir da passividade e assumir a responsabilidade sobre as ações que podem ajudar a você lembrar do que é importante.

O professor Renato Alves nos fala da importância de pensarmos positivamente naquilo que queremos lembrar, por exemplo: “Quero me lembrar do recado” é eficiente para lembrar!

O resultado seria diferente se você usasse: “Não posso esquecer do recado”. Ah, isso também é eficiente, só que para esquecer!

Neste ponto do livro encontramos 12 estratégias para executar ações de como lembrar e executar coisas importantes de forma proativa.

QUINTO HÁBITO DA MEMORIZAÇÃO: Cuidar bem dos detalhes importantes.

Este hábito diz respeito a organização pessoal e o Renato Alves mostra com este hábito o caminho para criar listas de verificação que permitam cuidar bem de detalhes importantes para atividades críticas, em que lembrar de tudo é requisito mínimo para o sucesso.

Os exemplos de aplicação deste hábito são muitos e proveitosos, o que justifica uma leitura atenta desse trecho do livro (Os 10 Hábitos de Memorização), lembrando que este artigo longe de ser um resumo, tem o propósito de servir como um “review” dos hábitos de memorização apresentados em detalhes pelo professor, mnemonista, Renato Alves.

Destaco entre tantas, uma mensagem contida na explicação deste hábito. A certa altura o Renato Alves fala sobre prestar a atenção, ouvir atentamente, compreender o que uma pessoa está dizendo ou solicitando a você e que você quer se lembrar de realizar.

Esse prestar a atenção nos leva a cuidar bem do que especificamente estão nos pedindo.

SEXTO HÁBITO DA MEMORIZAÇÃO: Você pode contratar uma aeromoça?

O título deste hábito é bastante curioso e acredito que o professor Renato Alves quis com isso chamar a atenção para as estratégias que podemos adotar para cuidar dos nossos objetos de mão como carteira, celular, chaves, guarda-chuva, casaco, bolsa ou mochila, uma pasta de documentos, livro (ou e-reader, essa é por minha conta, olha o prejuízo!), entre outros.

Alem de apresentar estratégias para esses objetos que são passiveis de serem deixados para trás num avião, taxi, restaurante, ou qualquer lugar e ele explica a importância de avaliarmos a necessidade de transportar esse objetos e sugere a prática de contar os objetos transportados como parte de um checklist.

SÉTIMO HÁBITO DA MEMORIZAÇÃO: Menos decoreba, mais memorização.

A adoção desse hábito revela um fundamento muito importante para distinguirmos dois processos de retenção de conhecimentos em nossa memória: repetição versus compreensão.

O professor Renato Alves nos apresenta o conceito de memorização pela compreensão e exemplifica como o processo de retenção de determinados conteúdos, que necessitamos ‘saber de cor e salteado”, pode ser complementado com a técnica de memorização por repetição, vulgarmente conhecida por decoreba.

OITAVO HÁBITO DA MEMORIZAÇÃO: Para lembrar o nome daquela pessoa.

Esse hábito é sobre gravar nomes e fisionomias, é divertida a forma como o mnemonista Renato Alves desenvolve o tema, é de causar risos a descrição que ele faz do desespero pelo qual passamos quando estamos diante de uma pessoa que nos aborda e da qual não lembramos o nome. Muito bom!

Ele nos fala sobre o trabalho da memória visual e auditiva (e também da tátil) e as 03 verdades sobre recordar nomes e fisionomias com as quais devemos lidar.

Para facilitar o processo de memorização e recordação de nomes o professor Renato Alves nos apresenta 6 orientações básicas, com exemplos e técnicas que nos permitirá desenvolver a habilidade de lembrar do nome de pessoas com mais segurança.

Essas orientações passam por temas como:

  • A importância de todas as pessoas que conhecemos, porque sempre podemos aprender algo com alguém.
  • O desenvolvimento da confiança em nossa memória.
  • Atenção aos estímulos visuais, auditivos e táteis.
  • Associação do nome aos estímulos.
  • Desvendar nomes difíceis.
  • Soluções para lembrar rápido (relaxar, fazer falar, teste do alfabeto).

Ao concluir a apresentação desse hábito, o Renato Alves nos deixa uma bela mensagem (que deixo para você ler na integra no próprio livro) que nos faz refletir sobre a importância que damos ao ato de conhecer uma pessoa e como isso afeta a nossa capacidade de se lembrar dela e de seu nome.

NONO HÁBITO DA MEMORIZAÇÃO: Treine a sua memória com números.

Muitas pessoas argumentam que “não possem boa memória”, experimente perguntar a uma pessoa sobre um filme ou sobre o capítulo do seriado ou novela? Muito provavelmente você receberá uma boa descrição do conteúdo o que revela que boa memória ela tem.

Com esse artificio de que o problema não está na memória e sim na falta de métodos, o professor Renato Alves nos ensina a como memorizar facilmente números e senhas numéricas e alfanuméricas.

Como “matéria prima” para senhas ele propõe examinarmos objetos que estão ao nosso redor e verificar há presença de números com os quais possamos criar associações para senhas.

Por exemplo, verifique se há algum número inscrito no verso do seu relógio de pulso? Se não encontrar no relógio pense em outro objeto de uso pessoal.

O mnemonista Renato Alves propõe também pensarmos em assuntos que tenhamos afinidade e que também possuam alguma relação com números e partir disso ele apresenta vários exemplos e métodos que podem ser aplicado na elaboração de senhas seguras, ou seja, difíceis de serem desvendadas por terceiros e ao mesmo tempo muito fáceis para lembrarmos quando precisamos.

Neste hábito ele desenvolve também como treinar com números de telefones e usando o seu próprio celular para isso, esse treino nos dá a oportunidade de sairmos do automático e treinarmos a nossa memória ao ligar para alguém.

A mensagem deixada por ele é que a capacidade de reter números está a nossa disposição, basta decidir utilizá-la para nos surpreender, positivamente!

DÉCIMO HÁBITO DA MEMORIZAÇÃO: Para se lembrar daquela data importante.

O professor Renato Alves afirma que a memória é muito boa em gravar e em fornecer tudo aquilo que desejamos e alerta que se você deseja lembrar de algo, deve perguntar à memória e isso se aplica a datas importantes.

O desenvolvimento desse hábito como apresentado no livro Os 10 Hábitos da Memorização parte do princípio de que você já sabe quais são as datas importantes que deseja lembrar, o que lhe falta é uma estratégia para verificar, por exemplo, se hoje é dia de uma data importante e que ação você precisa tomar.

Com esse princípio em mente, várias estratégias de verificação são apresentadas para que você possa aplicar para se lembrar de datas importantes.

CONCLUSÃO.

Vimos neste artigo os 10 hábitos de memorização do livro de mesmo título, do professor e mnemonista Renato Alves, que também possui outros livros e cursos sobre o tema estudo e memorização.

Eu acredito que capacidade de se lembrar e reter conhecimentos é inerente ao ser humano, desenvolver e aprimorar essa capacidade é uma questão de método e treino. E vontade real, naturalmente!

Gostou, por favor, me permita sugerir!

>>> Inscreva-se em nosso site!

 

Aprender Memorizar!

Também recomendamos:

Curso Memorização - Renato Alves

Método Renato Alves.

 

Agradecemos Por Seus Comentários:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.